🇺🇸
|
|

Maximizando la Utilización de Camas: Estrategias para Mejorar el Flujo de Pacientes en Europa

Maximizando la Utilización de Camas: Estrategias para Mejorar el Flujo de Pacientes en Europa
Pedro Stark
2 de julio de 2024
COMPARTIR: facebook cw1 facebook cw1 facebook cw1

Na CW1, acreditamos que as camas hospitalares não estão a ser geridas ao seu máximo potencial. Ouvimos falar de problemas nas urgências alemãs onde não há camas disponíveis devido a pacientes externos durante a noite. Portugal está a sofrer um enorme problema com as maternidades e, em geral, existem longas listas de espera para cirurgias na Europa apenas porque os sistemas nacionais de saúde não foram idealizados e otimizados desde o início.

 

 

Como é o panorama das camas hospitalares na Europa?

 

A utilização de camas hospitalares varia amplamente entre os países europeus devido aos diferentes sistemas de saúde e necessidades da população. Em 2020, o número médio de camas hospitalares nos países da União Europeia (UE) era de 5 para cada 1.000 pessoas. A Alemanha tinha o maior número de camas hospitalares per capita (8,0 por 1.000) em 2018, enquanto a Suécia tinha o menor (2,1 por 1.000). No entanto, ao comparar os tempos de espera para cirurgia ou tratamento de pacientes internados, a Alemanha tem uma lista de espera mais longa do que a Suécia. Porquê? Para entender esta dinâmica, precisamos examinar certos parâmetros.

 

 

Taxas de Ocupação

 

1. A taxa média de ocupação para camas de cuidados agudos na UE foi de 77% em 2018.
2. A Finlândia implementou um novo sistema para gerir camas em todo o país, o que reduziu as estadias hospitalares desnecessárias em 15%.
3. A Irlanda tinha a taxa de ocupação mais alta, com 94,9%, seguida pela Dinamarca com 90,1%, enquanto na Grécia, elas estão apenas cerca de 62% cheias.
4. Os Países Baixos tinham a mais baixa, com 45,4%, em parte devido à sua forte ênfase nos cuidados baseados na comunidade.
5. O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) tem como objetivo manter seus hospitais com 85% de capacidade, mas eles costumam estar mais de 90% cheios durante os períodos de maior movimento.

 

 

Duração da Estadia

 

1. A duração média da estadia por todas as causas nos hospitais da UE diminuiu de 8,5 dias em 2000 para 7,5 dias em 2018.
2. A Finlândia teve a menor duração média de estadia, com 5,9 dias, enquanto a Hungria teve a mais longa, com 9,8 dias.
3. Os Países Baixos reduziram a duração média das estadias hospitalares de 7,5 dias em 2000 para 4,5 dias em 2018, mantendo a satisfação do paciente com seus cuidados.
4. A duração das estadias hospitalares varia entre os países. No Japão, os pacientes ficam em média 16 dias, enquanto na Turquia, são apenas 4 dias.
5. Alguns países estão a usar a tecnologia para cuidar dos pacientes em casa em vez de nos hospitais. Em Espanha, esta abordagem reduziu as estadias hospitalares para alguns pacientes com doenças pulmonares em 30%.

 

 

Taxas de Admissão

 

1. A média da UE foi de 11,7 admissões por 100 habitantes em 2018.
2. A Dinamarca encontrou uma maneira de ter menos camas hospitalares (menos de 3 por 1.000 pessoas) enquanto ainda presta bons cuidados de saúde.
3. A Alemanha tem muitas mais camas de cuidados críticos (para pacientes muito doentes) do que outros países. Eles têm 29 camas para cada 100.000 pessoas, enquanto Portugal tem apenas 4.
4. As taxas de admissão hospitalar variaram amplamente, de 6 por 100 habitantes em Portugal para mais de 17 por 100 na Áustria e Alemanha em 2018.

Isto mostra um sistema de trabalho muito irregular em diferentes países europeus, mas uma coisa é evidente, os nórdicos estão à frente. Porquê? Tanto a Suécia, Finlândia, Dinamarca e Noruega usam um sistema de reserva de camas centralizado, que melhora o fluxo de comunicação e funciona como os sistemas de reserva de hotéis, permitindo maximizar a reserva de cirurgias.

 

 

Quais estratégias a CW1 pode recomendar para maximizar o uso de camas?

 

 

1. Implementar sistemas de gestão de camas em tempo real

 

Os sistemas de gestão de camas em tempo real ajudam os hospitais a trabalhar de forma mais eficiente. Estes sistemas informáticos mostram quais camas estão disponíveis, ocupadas ou prestes a ficar disponíveis. Isto ajuda a colocar os pacientes em camas adequadas mais rapidamente, reduzindo os tempos de espera em até 50%. Eles também ajudam a identificar e resolver problemas no fluxo de pacientes em todo o hospital. Isto pode reduzir as estadias hospitalares em 10-15%.

 

Além disso, estes sistemas melhoram a satisfação do paciente, aumentando as pontuações em 20%. Eles também ajudam os hospitais a tratar mais pacientes e aumentar a receita em até 15%. Os sistemas fornecem informações detalhadas sobre a utilização de camas, o fluxo de pacientes e a eficiência operacional. Isto ajuda os hospitais a tomar decisões informadas e a melhorar continuamente seus processos.

 

• No Reino Unido, os sistemas de gestão de camas em tempo real reduziram os tempos de espera dos pacientes em até 30% e melhoraram as taxas de utilização de camas em 15-20%.
 

• A adoção de sistemas digitais de gestão de camas nos hospitais alemães aumentou de 48% em 2017 para 66% em 2021.

 

 

2. Otimizar o planeamento da alta

 

Para melhorar o processo de alta e o fluxo de pacientes nos hospitais, é importante começar a planear a alta dentro de 24 horas após a admissão de um paciente. Isto envolve o uso de critérios padrão para avaliar quando um paciente estará pronto para sair. Os hospitais também devem envolver os pacientes e suas famílias desde o início, completar toda a documentação necessária a tempo e coordenar com os prestadores de cuidados pós-hospitalares. Os coordenadores de cuidados podem ajudar no planeamento e na ligação dos pacientes aos cuidados de seguimento e serviços de apoio.

 

Os hospitais também devem acompanhar as principais métricas, como atrasos na alta, taxas de readmissão e satisfação do paciente, para identificar áreas que precisam de melhoria. Ao fazer estas coisas, os hospitais podem prestar melhores cuidados, gerir os recursos de forma mais eficaz e garantir transições mais suaves para os pacientes.

 

• Um estudo em 15 países da UE descobriu que os protocolos estruturados de planeamento de alta reduziram a duração média da estadia em 1,3 dias.


• Nos Países Baixos, um programa nacional focado no planeamento de alta reduziu as taxas de readmissão em 30 dias de 15,9% para 12,1% entre 2016 e 2021.

 

 

3. Utilize análise preditiva

 

A análise preditiva está a tornar-se cada vez mais importante na saúde europeia, com o mercado projetado para crescer de 18,5 bilhões de dólares em 2022 para 53,23 bilhões de dólares em 2030, a uma taxa composta de crescimento anual de 15,3%. Hospitais e clínicas usam análise preditiva para identificar pacientes de alto risco, gerir melhor os recursos prevendo a demanda por serviços, direcionar doenças crónicas para melhorar a saúde da população, acelerar a pesquisa de medicamentos analisando grandes quantidades de dados e melhorar a comunicação e apoio ao paciente.

 

• Um programa piloto em Espanha, usando análise preditiva impulsionada por IA, melhorou a eficiência da alocação de camas em 18% e reduziu os tempos de espera no serviço de urgência em 25%.
 

• 38% dos hospitais europeus estavam a usar análise preditiva para a gestão da capacidade em 2023, acima dos 22% em 2018.

 

 

4. Melhore o fluxo do departamento de emergência

 

As principais estratégias incluem triagem eficaz, avaliação e tratamento rápidos, melhor organização do paciente, melhor gestão de camas, uso de tecnologia e dados, e promoção de uma cultura de eficiência. Estes métodos ajudam a reduzir a superlotação e melhorar as operações do serviço de urgência, o que é essencial para um sistema de saúde sustentável.

Otimizar o fluxo do serviço de urgência requer um esforço de equipe, focando na triagem, tratamento, gestão do paciente, tecnologia e melhoria contínua. Reduzir a superlotação do serviço de urgência não só beneficia os pacientes, mas também melhora a eficiência geral do sistema de saúde.

 

• Sistemas de atendimento rápido para lesões menores nos serviços de urgência franceses reduziram os tempos médios de espera em 37% e diminuíram as admissões desnecessárias em 15%.


• Hospitais com unidades de observação dedicadas ao serviço de urgência tiveram taxas de admissão 22% mais baixas em comparação com aqueles sem.

 

 

5. Expanda os serviços de telessaúde

 

A pandemia de COVID-19 levou a um aumento significativo no uso de serviços de telessaúde em toda a Europa. Em 2020, todos os profissionais de eHealth pesquisados nos países nórdicos e na Itália relataram o uso de telessaúde. Até 2022, mais da metade dos países da região europeia da OMS haviam estabelecido serviços de teleradiologia.

 

Um estudo da OMS/Europa, analisando dados de mais de 20.000 estudos e 20.000 pacientes, encontrou a telemedicina benéfica para o gerenciamento de doenças crónicas. A receita do mercado de telessaúde por habitante é mais alta na Escandinávia, com a Dinamarca em €6,22 e a Suécia em €5,05, em comparação com a média da UE-24 de €3,05. Estónia, Dinamarca, Croácia, Suécia e Islândia lideram no uso de tecnologias remotas por médicos de clínica geral para transferir prescrições para farmacêuticos, com quase todos os médicos de clínica geral usando estes serviços até 2013.

 

• As consultas de telessaúde na UE aumentaram em 1500% em 2020 em comparação com 2019.


• 60% dos prestadores de cuidados de saúde europeus planeiam aumentar o investimento em telessaúde nos próximos cinco anos.

 

 

6. Implemente protocolos de rotatividade de camas

 

Protocolos padronizados para a rotatividade de camas podem reduzir significativamente o tempo entre a alta do paciente e novas admissões:

 

• Um estudo num hospital do Reino Unido descobriu que a implementação de um protocolo de rotatividade rápida de camas reduziu o tempo médio entre a alta do paciente e a nova admissão de 210 minutos para 90 minutos, uma melhoria de 57%.


• Num hospital dos EUA, processos de limpeza otimizados aumentaram a rotatividade de camas em 27% e reduziram o tempo médio de rotatividade de 75 minutos para 30 minutos.

 

 

7. Realize revisões regulares da capacidade

 

Para otimizar a utilização de camas e identificar áreas de melhoria, os hospitais devem realizar revisões regulares da capacidade com uma frequência consistente, como diária, semanal ou mensal. Estas revisões devem reunir dados relevantes sobre a capacidade de camas, taxas de ocupação e métricas de fluxo de pacientes de várias fontes, incluindo registros eletrónicos de saúde e sistemas de gestão de camas. Os dados devem ser analisados para identificar tendências e padrões, e os principais interessados, como a liderança de enfermagem e os gestores de casos, devem ser envolvidos para fornecer contribuições e insights.

 

Com base nas conclusões da revisão, devem ser desenvolvidos planos de ação específicos para otimizar a utilização de camas, que podem incluir o ajuste dos níveis de pessoal, a implementação de novos processos de fluxo de pacientes ou a melhoria do planeamento de alta. O impacto destes planos de ação deve ser monitorizado regularmente, e ajustes devem ser feitos conforme necessário. Finalmente, as conclusões da revisão de capacidade e os planos de ação devem ser comunicados aos principais interessados e à liderança para orientar a tomada de decisões e a alocação de recursos.

 

• Uma Pesquisa Hospitalar Europeia de 2022 descobriu que os hospitais que realizam revisões mensais de capacidade tinham uma taxa média de ocupação de camas de 85%, em comparação com 78% para aqueles que realizam revisões anuais.
 

• Hospitais que usam análise de dados para o planeamento da capacidade relataram uma redução de 12% na duração da estadia do paciente e um aumento de 9% na taxa de rotatividade de camas.

 

 

8. Promova a colaboração com os serviços comunitários

 

Parcerias com serviços de saúde comunitários e prestadores de cuidados primários podem reduzir admissões desnecessárias e facilitar altas atempadas:

 

• Um estudo no Reino Unido mostrou que hospitais com fortes parcerias comunitárias reduziram as taxas de readmissão em 18% e diminuíram a duração média da estadia em 1,5 dias.
 

• Nos Países Baixos, um programa de integração de cuidados comunitários resultou numa redução de 22% nas admissões hospitalares para condições crónicas num período de 3 anos.

 

 

9. Desenvolva percursos clínicos

 

Percursos clínicos padronizados para condições comuns podem agilizar o atendimento ao paciente e melhorar a rotatividade de camas:

 

• A implementação de um percurso clínico para pneumonia num hospital espanhol reduziu a duração média da estadia de 7,2 para 5,8 dias, uma melhoria de 19,4%.
 

• Um estudo em vários hospitais na Alemanha descobriu que os percursos clínicos para substituições de anca e joelho aumentaram as taxas de rotatividade de camas em 15% e reduziram os custos em 11%.

 

 

10. Invista em formação de pessoal

 

Para garantir que as camas hospitalares estejam prontas para o próximo paciente o mais rápido possível, os hospitais precisam treinar muito bem o seu pessoal. Esta formação deve cobrir tudo, desde como preparar uma cama depois que um paciente sai, até como planear quando os pacientes serão dispensados, até como garantir que haja camas suficientes disponíveis. A formação pode acontecer de diferentes maneiras, como workshops, aulas online ou lições rápidas mesmo quando o pessoal precisa delas.

 

Os hospitais também devem usar a tecnologia para tornar a formação o mais eficaz possível. É importante verificar regularmente se a formação está a funcionar e se o pessoal está a usar o que aprendeu. Os hospitais também devem dar recompensas ao pessoal que é realmente bom em preparar camas, para que todos saibam o quão importante isso é. Ao fazer tudo isso, os hospitais podem colocar os pacientes nas camas mais rapidamente, o que significa menos espera e melhor uso dos seus recursos.

 

• Hospitais que investiram em formação de gestão de camas para o pessoal viram um aumento médio na taxa de rotatividade de camas de 48 para 52 pacientes por cama por ano.
 

• Um estudo canadense relatou que, após a implementação de um programa de formação de pessoal abrangente sobre o fluxo de pacientes, os hospitais participantes reduziram a sua duração média de estadia em 0,6 dias e aumentaram a taxa de rotatividade de camas em 8%.

 


Referências:

 

European Hospital and Healthcare Federation. (2023). Hospital Bed Management: Best Practices and Future Trends. Retrieved from https://hope.be/wp-content/uploads/2023/04/hope-publication_hospital-bed-management.pdf

European Health Information Gateway: https://gateway.euro.who.int/en/indicators/hfa_477-5051-total-number-of-hospital-beds/
OECD iLibrary: Health at a Glance: Europe 2020: https://www.oecd-ilibrary.org/sites/898c9182-en/index.html?itemId=%2Fcontent%2Fcomponent%2F898c9182-en
OECD iLibrary: Health at a Glance: Europe 2022: https://www.oecd-ilibrary.org/sites/518727bb-en/index.html?itemId=%2Fcontent%2Fcomponent%2F518727bb-en
Statista: Number of hospital beds in Europe 2014-2029: https://www.statista.com/forecasts/1141987/hospital-bed-count-forecast-in-europe
https://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/index.php?title=Healthcare_resource_statistics_-_beds
https://postprint.nivel.nl/PPpp1975.pdf
https://www.hilarispublisher.com/open-access/strategies-for-inpatient-bed-management-2157-7420-1000308.pdf

COMPARTIR:
cw1

CW1 AB / CW1 Inc is responsible for your data. Cookies are used to analyze traffic & customize content. Please see our cookie policy for more information.